Poesia

Hoje é dia / de poesia / não dissera / quem diria?

Da essência

Poesia não é o que eu escrevo;
É o que me faz escrever

Pétala

Parei embaixo da árvore.

Em todo lugar, pétalas caídas ao chão, ainda brancas e macias, mas mortas.

Entretanto, sem vento nem brisa, uma delas começou a voar.

Subia, descia, fazia voltas ao meu redor.

Era um pedacinho de vida em meio à morte, uma flor viva no ar e no céu.

Era uma borboleta.

E o meu dia ficou mais bonito.

Haikai de Outono

Sopra o vento
Ouve-se um ruído:
As folhas mortas

Pérola Poética III

Saudade
É a fome
Da memória.

Soneto Platônico

A palavra mais linda e mais pura
É a que se intui, não a dita:
Pois que sem ruído é bonita,
Perfeita, ideal, sem mistura.

Pois sem os limites audíveis
É um sentimento intocado;
Que assim se propaga, calado,
Capaz de façanhas incríveis;

Pois nada é tão bom para a alma,
Nem fala tão perfeitamente,
Nem toca o mais fundo do peito;

É a brisa mais doce e mais calma
Que não se escuta, se sente;
Perfeita em forma e em efeito.

Procura-se

Procura-se a frase perfeita,
Ápice da poesia.
Ideal inalcançável!
Pois só a vislumbro
No silêncio.

Mulher

Mulher:
Criatura estranha
Que sangra
Que chora
Que encanta ao falar.

Mulher:
Poesia encarnada
Que canta
Que dança
Que voa ao sonhar.

Mulher:
Eterno mistério
Que incita
Que excita
Nem tento explicar.

Mulher:
Não só
Em um dia
Mas em todo o tempo
Segundo a segundo:
É sonho
Beleza
E luar.

« Previous PageNext Page »