Poesia

Hoje é dia / de poesia / não dissera / quem diria?

Isabella

O ar acolheu o seu choro,
O vento secou suas lágrimas.
E enquanto voava
A menina lembrava
De sua pequena história
Sem glória, tão perto do fim.

E voa a menina,
Tal como uma folha
Levada ao vento,
Caindo no outono
De um Março qualquer.
Já não lhe doíam as feridas
Nem mesmo a lembrança
De ser só criança
Num mundo ruim.

E quando aterrisa
A brisa, ferida,
Pára de soprar;
Só sobram os gritos,
Rugidos, sirenes,
Só resta a lembrança
Do mundo criança
Num mundo sem glória,
Sem história,
Carente
De amor
E de paz.


Comentários

  1. Marcia Carvalho
    May 24th, 2008 | 10:16 am

    Sem palavras…

  2. Ana
    June 8th, 2008 | 1:25 am

    “Horror
    Com os seus OO de espanto, seus RR guturais, seu hirto H, HORROR
    é uma palavra de cabelos em pé, assustada da própria significação.”
    Mário Quintana

    Só os poetas para fazerem com que o “horror” possa virar poesia…

  3. cleukoller
    October 20th, 2008 | 7:09 pm

    parabéns é linda!