Arquivo para March de 2007

Se sistemas operacionais fossem companhias aéreas…

Monday, 12 de March de 2007

(se você souber inglês, fique à vontade para ler o original)

UNIX Airways

Cada passageiro traz uma ou mais peças do avião quando vai ao aeroporto. Todos então vão para a pista e começam a montar o avião, peça por peça, discutindo sem parar sobre o tipo de avião que eles deveriam estar construindo.

Air DOS

Todos empurram o avião até ele planar, e então pulam no avião e o deixam planar até ele cair no chão. Aí eles empurram de novo, pulam de novo, e assim em diante…

Mac Airlines

Os comissários de bordo, pilotos, e pessoal de atendimento são exatamente iguais. Toda vez que você pergunta algo detalhado, você é gentil mas firmemente informado que você não precisa saber, não quer saber, e que tudo vai ser feito corretamente pra você sem você jamais precisar saber dos detalhes, “portanto cale a boca”.

Windows Air

O terminal de embarque é bonito e colorido, com comissários de bordo simpáticos, check-in e embarque simples, e uma decolagem tranquila. Depois de uns 10 minutos no ar, o avião explode sem qualquer aviso.

Windows NT Air

Praticamente igual à Windows Air, mas é mais cara, usa aviões bem maiores, e destrói todas as outras aeronaves num raio de 60 quilômetros quando explode.

Windows XP Air

Você chega ao aeroporto, que tem um contrato que só permite pousos e decolagens de aviões da XP Air. Todas as aeronaves são idênticas, reluzentes e coloridas, e três vezes maiores do que precisavam ser. A sinalização é enorme, e tudo aponta para o mesmo lugar. Pra onde quer que você vá, aparece alguém vestido com uma capa e um chapéu pontudo insistindo para que você o siga. Sua bagagem e roupas são tiradas e substituídas por um terno XP Air e uma mala padronizada, iguais às de todo mundo ao redor, já que isso é incluído no preço exorbitante da passagem. A aeronave não decola até você assinar um contrato. O filme exibido a bordo é um desenho do Mickey Mouse repetido inúmeras vezes. Você tem que ligar pro seu agente de viagens antes de poder comer ou beber qualquer coisa a bordo. Você é revistado em intervalos regulares durante o vôo. Se você vai ao banheiro duas vezes ou mais, você tem que pagar outra passagem. Seja qual for o destino que você queria, você sempre fará um pouso forçado em Whistler, no Canadá.

OS X Air:

Você entra num terminal branco, e tudo que você vê é uma mulher sentada num canto atrás de uma mesa branca. Você vai até lá para pegar sua passagem. Ela sorri e diz “Bemvindo à OS X Air, por favor, permita-nos tirar uma foto de você”, exatamente quando uma câmera na parede (que você nem tinha percebido) tira uma foto sua. “Obrigada, aqui está sua passagem”. Você recebe um ticket minúsculo com sua foto no topo. A passagem já tem todas as informações necessárias sobre você. Uma porta abre à sua direita e você passa por ela. Você entra num espaço amplo com um assento no meio. Você se senta, ouve música e vê filmes até o final do vôo. Você não vê nenhum outro passageiro em nenhum momento. Você então aterrisa, sai do avião, e diz para si mesmo “uau, isso foi bem legal, mas eu sinto como se faltasse alguma coisa”.

Windows Vista Airlines:

Você entra num terminal bonito, com os maiores aviões que você já viu. A cada 3 metros um oficial de segurança aparece e pergunta se você tem certeza que você quer continuar andando para o seu avião, e pergunta se você quer cancelar. Como você não sabe o que “cancelar” faria nesse caso, você continua andando para o avião e pergunta ao agente do terminal porque os aviões são tão grandes. Depois do oficial de segurança perguntar se você tem certeza que quer perguntar isso, e que quer ouvir a resposta, o agente responde que eles são maiores porque isso faz com que os clientes se sintam melhor, mas que os aviões são projetados para voar duas vezes mais devagar. Aumentar o tamanho ajudou a atingir esse objetivo, de fazer o avião voar mais devagar.

Uma vez no avião, cada passageiro é questionado individualmente pelos comissários de bordo se eles têm certeza de que querem voar nesse vôo. Então, por ser regra da companhia, o piloto pergunta a mesma coisa aos passageiros, desta vez coletivamente. Após responder sim a tantas questões, você recebe um soco na cara, dado por um estranho que perguntou “você tem certeza que quer que eu te dê um soco na cara? Cancelar ou Permitir?”, a que você instintivamente respondeu “permitir”.

Depois da decolagem, os pilotos percebem que o driver do trem de pouso não foi atualizado para funcionar com o novo avião, e por isso está preso na posição estendida. Isso força o avião a voar ainda mais devagar, mas os pilotos já estão acostumados e continuam voando com os aviões assim, na esperança de que o fabricante do trem de pouso atualize logo os drivers.

Você chega ao seu destino desejando ter usado suas milhas na XP Air, ao invés de experimentar essa nova linha aérea. Um amigo seu, depois de ouvir sua história, menciona que a Linux Air é uma alternativa muito melhor.

Linux Air

Funcionários descontentes de todas as outras linhas aéreas decidem criar sua própria linha aérea. Eles montam os aviões, emissores de passagens, e pavimentam eles mesmos as pistas de pouso e decolagem. Eles cobram uma taxa pequena para cobrir o custo de imprimir a passagem, mas você também pode baixar e imprimir a passagem você mesmo.

Quando você vai embarcar, você recebe um assento, quatro parafusos, uma chave de boca e uma cópia do assento-HOWTO.html. Uma vez montado, o assento é completamente ajustável, e bastante confortável. O avião decola e pousa no horário programado, sem um só problema, e o serviço de bordo é fantástico. Você tenta compartilhar a sua ótima experiência com os clientes de outras companhias aéreas, mas tudo o que eles dizem é “você teve que fazer o quê com o assento?”