Arquivo para 2 de August de 2005

O ide e o vinde

Tuesday, 2 de August de 2005

“E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” (Mateus 28:18-20)

O texto acima é conhecido popularmente como “a grande comissão”. Dentro do relato das Escrituras, foram as últimas palavras do Senhor Jesus antes da sua ascensão. No entanto, em que consiste o “ide”? O que devemos fazer em obediência a este mandamento do Senhor?

Há muitas coisas importantes a considerar nesse texto. Nós podemos dividir as ações depois do “ide” em três ações principais: fazer discípulos, batizá-los em nome da Trindade e ensiná-los a observar as coisas ditas pelo Senhor Jesus. O que se segue é a certeza de que o Senhor está conosco até o Dia do Senhor. Portanto, para entendermos o que está incluído no “ide” do Senhor Jesus, temos que entender como aplicar as ações observadas nesse mandamento.

Quando o Senhor diz “fazer discípulos”, há duas coisas importantes que temos que entender. A primeira é que não devemos fazer discípulos de nós mesmos, ou de qualquer outro homem; o “fazer discípulos” implica em fazer discípulos do Senhor Jesus, como nós o somos. Não somos nós os discipuladores, mas o Senhor Jesus; não somos nós os mestres, mas nosso Bom Mestre o é.

“Não é o discípulo mais do que o seu mestre, nem o servo mais do que o seu senhor. Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo como seu senhor.” (Mateus 10:24-25a)

“Dizia, pois, Jesus aos judeus que nele creram: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sois meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:31-32)

A segunda coisa importante a se entender é que o discípulo é feito pela obediência à palavra, não a preceitos humanos; o discípulo é aquele tocado por Deus no sentido de compreender e obedecer à palavra; fazemos discípulos do Senhor indiretamente, porque de fato só há dois responsáveis pelo surgimento de um discípulo: a palavra de Deus e o Espírito Santo. Tudo que fazemos nesse caso é levar a palavra de Deus, e contar com a operação do Espírito Santo.

“Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como pois invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Assim como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas!” (Romanos 10:13-15)

O passo seguinte é batizá-los em nome da Trindade. Como já escrevi um estudo especificamente sobre isso, vou apenas resumir o conceito básico: o batismo é simplesmente um símbolo de algo que já foi feito por Deus; é um sinal de que o que creu morreu para si mesmo e para o mundo, e foi feito uma nova criatura, à imagem de Cristo. De novo, Deus é quem faz, não nós.

Finalmente, “ensinando-os”. Ora, quem faz isso, senão o outro Consolador, o Espírito de Deus?

“Mas o Ajudador, o Espírito Santo a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto eu vos tenho dito.” (João 14:26)

Ou seja, fica claro que tudo que envolve o “ide” é feito pelo Senhor; tudo o que fazemos ativamente é levar a palavra, e o Senhor faz tudo mais, diretamente ou através da igreja. E porque é assim? A resposta é notavelmente simples e bela: porque o “ide” existe tão somente para falarmos do “vinde” do Senhor Jesus.

“Todas as coisas me foram entregues por meu Pai; e ninguém conhece plenamente o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece plenamente o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” (Mateus 11:27-30)

Simplesmente repetimos o “vinde” do Senhor com nossas palavras e atitudes, como também ouvimos e aprendemos dele um dia; e aqueles a quem o Filho quiser revelar verão o Pai pelas palavras e atitudes que pregamos, pela imagem de Cristo em nós, e pela ação soberana do Espírito Santo. Cumprir o “ide” significa obedecermos ao “vinde”, e fazê-lo conhecido aos que nos rodeiam; cumprir o “ide” significa obedecer a Deus, e confiar na Sua soberania para fazer o que Lhe apraz.

“Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto eu tenho feito; será este, porventura, o Cristo? Saíram, pois, da cidade e vinham ter com ele. (…) E muitos samaritanos daquela cidade creram nele, por causa da palavra da mulher, que testificava: Ele me disse tudo quanto tenho feito. Indo, pois, ter com ele os samaritanos, rogaram-lhe que ficasse com eles; e ficou ali dois dias. E muitos mais creram por causa da palavra dele; e diziam à mulher: Já não é pela tua palavra que nós cremos; pois agora nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo.” (João 4:29-30,39-42)