Arquivo para 11 de June de 2005

O leão e o cordeiro

Saturday, 11 de June de 2005

“E eu chorava muito, porque não fora achado ninguém digno de abrir o livro nem de olhar para ele. E disse-me um dentre os anciãos: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu para abrir o livro e romper os sete selos. Nisto vi, entre o trono e os quatro seres viventes, no meio dos anciãos, um Cordeiro em pé, como havendo sido morto, e tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus, enviados por toda a terra. E veio e tomou o livro da destra do que estava assentado sobre o trono.” (Apocalipse 5:4-7)

O Senhor Jesus é chamado de muitos nomes na Bíblia, uma lista muito extensa para reproduzir aqui. Mas há um título do Senhor Jesus que vem sendo repetidamente mencionado nos dias atuais, em pregações e cânticos; o “Leão da tribo de Judá”. É um título poderoso, sem dúvida, e definitivamente bíblico. Mas será de fato entendido como deveria?

Para entendermos esse título do Senhor, devemos ver se há de fato algum leão relacionado à tribo de Judá. E de fato o achamos no Gênesis, no momento em que Jacó está abençoando seus filhos:

“Judá, a ti te louvarão teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de teus inimigos: diante de ti se prostrarão os filhos de teu pai. Judá é um leãozinho. Subiste da presa, meu filho. Ele se encurva e se deita como um leão, e como uma leoa; quem o despertará? O cetro não se arredará de Judá, nem o bastão de autoridade dentre seus pés, até que venha aquele a quem pertence; e a ele obedecerão os povos.” (Gênesis 49:8-10)

Assim, o título de Leão de Judá está diretamente ligado a reinado e juízo — de fato, ligado ao Messias, e ao estabelecimento do seu reino. E é curioso notar que no texto acima já temos uma figura da morte e ressurreição de Cristo (”quem o despertará?”). É também importante notarmos que esse título, Leão de Judá, só aparece uma única vez em sua forma clara no Apocalipse, e desta forma oculta em Gênesis, também apenas uma vez. Mas no primeiro texto que lemos, há um outro título… porque o ancião anuncia o Leão, mas o que João vê? Um Cordeiro. De fato, no Apocalipse, Cristo é chamado de Leão uma vez; mas de Cordeiro cerca de vinte e seis vezes. De fato, se temos em Gênesis o Leão de Judá, temos primeiro o Cordeiro de Deus:

“Respondeu Abraão: Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. E os dois iam caminhando juntos.” (Gênesis 22:8)

Que João Batista depois identifica com o Senhor Jesus:

“No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (João 1:29)

Como o Leão pode ser um Cordeiro? Como pode ser o Cordeiro um Leão? Qual o segredo para entendermos esses dois títulos sem o aparente antagonismo que há neles? A solução está em um evento curioso no Velho Testamento… o enigma de Sansão.

“Desceu, pois, Sansão com seu pai e com sua mãe a Timnate. E, chegando ele às vinhas de Timnate, um leão novo, rugindo, saiu-lhe ao encontro. Então o Espírito do Senhor se apossou dele, de modo que ele, sem ter coisa alguma na mão, despedaçou o leão como se fosse um cabrito. E não disse nem a seu pai nem a sua mãe o que tinha feito. (…) Passado algum tempo, Sansão voltou para recebê-la; e apartando-se de caminho para ver o cadáver do leão, eis que nele havia um enxame de abelhas, e mel. E tirando-o nas mãos, foi andando e comendo dele; chegando aonde estavam seu pai e sua mãe, deu-lhes do mel, e eles comeram; porém não lhes disse que havia tirado o mel do corpo do leão. (…) Disse-lhes, pois, Sansão: Permiti-me propor-vos um enigma; se nos sete dias das bodas o decifrardes e mo descobrirdes, eu vos darei trinta túnicas de linho e trinta mantos; mas se não puderdes decifrar, vós me dareis a mim as trinta túnicas de linho e os trinta mantos. Ao que lhe responderam eles: Propõe o teu enigma, para que o ouçamos. Então lhes disse: Do que come saiu comida, e do forte saiu doçura. E em três dias não puderam decifrar o enigma. (…) Os homens da cidade, pois, ainda no sétimo dia, antes de se pôr o sol, disseram a Sansão: Que coisa há mais doce do que o mel? e que coisa há mais forte do que o leão?” (Juízes 14:5-6,8-9,12-14,18a)

Do comedor, o leão morto, saiu comida, o mel; do forte saiu doçura. O Leão da tribo de Judá é o Cordeiro, porque o Cordeiro é que foi morto como holocausto, da parte de Deus; na sua morte e ressurreição recebemos verdadeiro alimento, e encontramos a doçura da sua graça, na sua vida abundante, que mana leite e mel.

“Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim.” (João 6:55-57)

“Se o Senhor se agradar de nós, então nos introduzirá nesta terra e no-la dará; terra que mana leite e mel.” (Números 14:8)

De fato, Cristo é primeiro o Cordeiro, mas também o Leão; se nele encontramos a resposta para o enigma de Sansão, nele também encontramos sua plenitude; porque aquele de quem saiu comida estava morto, mas reviveu, para ser novamente o comedor:

“E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava montado nele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga a peleja com justiça. Os seus olhos eram como chama de fogo; sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. Estava vestido de um manto salpicado de sangue; e o nome pelo qual se chama é o Verbo de Deus. (…) E vi um anjo em pé no sol; e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, ajuntai-vos para a grande ceia de Deus, para comerdes carnes de reis, carnes de comandantes, carnes de poderosos, carnes de cavalos e dos que neles montavam, sim, carnes de todos os homens, livres e escravos, pequenos e grandes.” (Apocalipse 19:11-13,17-18)

E aquele que foi crucificado em fraqueza para que encontrássemos a doçura da graça ressuscitou em força e poder:

“Porque, ainda que foi crucificado por fraqueza, vive contudo pelo poder de Deus. Pois nós também somos fracos nele, mas viveremos com ele pelo poder de Deus para convosco.” (II Coríntios 13:4)

Assim, Cristo faz convergir em si mesmo os dois títulos; se ele é o Cordeiro morto, é o Leão ressurreto; se do comedor saiu comida, pela ressurreição ele se constituiu comedor; se na morte nos deu doçura ao libertar-nos do pecado, na ressurreição se revelou em força, para nos capacitar a viver pra ele; se na morte é o Cordeiro, o Cordeiro ressurreto é o Leão da tribo de Judá, aquele a quem obedecerão os povos. Mas não é primeiro o Leão, senão o Cordeiro; porque o Leão de Judá é, de fato, nada mais que o Cordeiro de Deus.

“…mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.” (Filipenses 2:7-11)

“Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os que estão com ele, os chamados, e eleitos, e fiéis.” (Apocalipse 17:14)